December 19, 2016

O Espectro da Donzela

Era uma fria noite de setembro
Em que, caminhando sob a sombra do luar
Em meio ao denso breu entao vislumbro
Uma pálida donzela a vagar;

De doce compleição, porém distante
Possuía a pele alva como a lua
Ora vi sua lamúria  inquietante
Chorava a dama por angústias suas;

Eu ouvi daquela triste alma o pranto
Clamava ela por um amor antigo
A procurar nas sombras acalanto;

E foi-se ela ao despontar da aurora!
Seria uma alma em seu velho jazigo
Recordando tempos de outrora?

by Vane

Imagem de aesthetic, gold, and hipster

Bom final de semana!
Desejo um ótimo final de ano a todos que acompanham esse blog :)
Abraços



3 comments:

  1. Inquietante. De uma delicadeza ímpar. Muito bom, Vane. Feliz Natal. Abraços!

    ReplyDelete
  2. Boa tarde poetisa querida,,, e este poema passou pelas minhas mãos,, muito belo por sinal...
    temos ainda de ajietar o poema que fizemos hein.. abraços e um lindo ano a vc tb \vanessa
    paz e bem

    ReplyDelete
  3. Olá Vanessa, belíssimo poema com um toque de realismo fantástico mas muito sutil. Que bom que o escreveu tocou minha alma de forma delicada e muito doce. Um abraço carinhoso 0/

    ReplyDelete