July 21, 2013

O Poço - Pablo Neruda

O Poço

Cais, às vezes, afundas
em teu fosso de silêncio,
em teu abismo de orgulhosa cólera,
e mal consegues voltar, 
trazendo restos do que achaste
pelas profunduras da tua existência.

Meu amor, o que encontras
em teu poço fechado?
Algas, pântanos, rochas?
O que vês, de olhos cegos,
rancorosa e ferida?

Não acharás, amor,
no poço em que cais
o que na altura guardo para ti:
um ramo de jasmins todo orvalhado,
um beijo mais profundo que esse abismo.

Não me temas, não caias
de novo em teu rancor.
Sacode a minha palavra que te veio ferir
e deixa que ela voe pela janela aberta.
Ela voltará a ferir-me
sem que tu a dirijas,
porque foi carregada com um instante duro
e esse instante será desarmado em meu peito.

Radiosa me sorri
se minha boca fere.
Não sou um pastor doce
como em contos de fadas,
mas um lenhador que comparte contigo
terras, vento e espinhos das montanhas.

Dá-me amor, me sorri
e me ajuda a ser bom.
Não te firas em mim, seria inútil,
não me firas a mim porque te feres.

Pablo Neruda

Imagem de arms


Belas palavras de Neruda!.. tive de compartilhar aqui.
Um bom final de semana a todos!
Bjs

14 comments:

  1. De fato, belas palavras!
    Fui à casa dele em Santiago (chile) uma vez, e acho que foi uma das melhores visitações que já fiz haha

    ReplyDelete
    Replies
    1. Puxa, que sorte a sua de já ter estado lá.. deve ser um lugar incrível! :)
      Um abraço

      Delete
  2. As aventuras e as desventuras da paixão. Belo poema!

    http://apoesiaestamorrendo.blogspot.com.br/

    ReplyDelete
    Replies
    1. Realmente belo,..
      Obrigada pela visita Murilo,
      Um abraço!

      Delete
  3. Quão encantador e profundo! Conheço pouquíssimo de Neruda, mas adorei este poema.

    ReplyDelete
    Replies
    1. Concordo com vc! De fato, são palavras encantadoras..
      Também não conheço o autor tanto quanto gostaria, pretendo me aprofundar mais em suas obras.
      Um abraço!

      Delete
  4. São as nossas descidas aos reinos internos - alguns de sombra e outros de luz.

    Nosso íntimo é fascinante, de riqueza infinita! Tantas histórias...

    Quando leio poesias com essa temática, lembro-me dos heróis das mitologias, descendo aos "infernos interiores", enfrentando feras e criaturas monstruosas (símbolos da raiva, do ciúme, da inveja, do egoísmo, do orgulho).

    Eles buscam luzes, soluções para os desafios, libertação...

    Somos no dia a dia, esses "heróis", numa luta anônima, sem quartel, contra nossas sombras, armando-nos com aquilo que temos de mais belo e luminoso em nossos corações. E as lágrimas são o nosso sangue que escorre e molha-nos a essência, tornando-a fértil, trazendo crescimento, evolução...

    Vivenciamos essas batalhas ingratas, confusas, imcompreendidas que passam, na maior parte das vezes, desapercebidas ao olhar comum das pessoas.

    Conflitos que apenas cada um de nós pode sanar. Por isso, essa aventura é bela, e ao mesmo tempo dolorosa, em sua solidão.

    Entretanto, algo, posso dizer aqui, finalmente, com absoluta e feliz certeza: estamos fadados à vitória!

    Beijo grande na tua alma, Vane!
    _

    ReplyDelete
    Replies
    1. Belas palavras, concordo com vc!.. Realmente, temos lutas a vencer a cada dia, dificuldades a superar.
      Gosto de acreditar que estamos de fato fadados à vitoria, embora seja assombrada por vezes pelo medo da derrota; ao menos tenho minha fé, e minhas esperanças.. creio que são importantes, para superar os obstáculos aos quais a vida nos submete.

      Obrigada por sua agradável visita aqui em meu espaço!
      Seja sempre bem-vindo..
      Um grande abraço.

      Delete
  5. L'ho tradotta. Bellissima.

    ReplyDelete
    Replies
    1. É realmente muito bela!.. fico feliz que tenha gostado :)
      Um abraço

      Delete
  6. Gostei mais dessa moça de máscara, por mim, mudava mais não. Já disse que acho seu blog bonito e muito bem caprichado? Se disse volto a dizer. E que música linda é essa? Cria todo um clima melancolicamente belo. Não há como caminhar por sua casa sem ouvi-la. Já estou ouvindo pela quarta vez, Vane, enquanto escrevo, vou indo, saindo bem devagarzinho...

    http://apoesiaestamorrendo.blogspot.com.br/

    ReplyDelete
    Replies
    1. Obrigada, é meu layout favorito também, embora eu goste de mudar às vezes..
      Essa música é do Drowning The Light, chama-se "Tears of a Dead God". É realmente muito bela e melancólica, uma de minhas músicas favoritas!
      Obrigada por suas visitas sempre agradáveis aqui em meu espaço.

      Um abraço!

      Delete
  7. Vane, atualizei o blog! Qd atualizar aqui me avisa, temos um gosto parecido e adoro suas postagens!

    obs: sobre a casa do Neruda, de fato é um lugar fantástico! Ainda tem várias coisas dele e tal, como a roupa de cama que usava e rascunhos ainda não finalizados sobre a mesa! Era proibido fotografar, claro, mas eu fotografei mesmo assim rs

    ReplyDelete
    Replies
    1. Já vou passar lá para conferir sua nova postagem!
      Infelizmente não disponho de muito tempo para atualizar o meu.. mas vou tentar atualizar logo! rs ^^"
      Puxa, gostaria de conhecer esse lugar, um dia. Recentemente vi um filme sobre Neruda e lido mais dele, o que fez crescer meu fascínio pelo autor e suas obras!..
      Um abraço

      Delete